Superando as expectativas do mercado, que apontava para uma alta de 0,9% na comparação mensal e de 2,8%, na anual, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o Produto Interno Bruto (PIB) registrou crescimento de 1,2% no segundo trimestre de 2022 em comparação com os três primeiros meses do ano. O resultado é o quarto positivo seguido.  

Se comparado com o mesmo trimestre de 2021, o PIB cresceu 3,2%. Já no acumulado dos quatro trimestres terminados em junho desse ano, cresceu 2,6%, comparado aos quatro trimestres imediatamente anteriores. No ano, acumula alta de 2,5%. Além disso, o desempenho da economia atinge o segundo patamar mais alto da série, atrás apenas do alcançado no primeiro trimestre de 2014, disse o instituto. Em valores correntes, o PIB totalizou R$ 2,4 trilhões. 

Setores 

O maior crescimento foi da Indústria (2,2%), seguida pelos Serviços, que avançaram 1,3%, e a Agropecuária, que expandiu 0,5%.  

O crescimento na Indústria se deve aos desempenhos positivos de 3,1% na atividade de Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos, de 2,7% na Construção, de 2,2% nas Indústrias Extrativas e 1,7% nas Indústrias de Transformação. 

Nos Serviços, apresentaram resultados positivos: Outras atividades de serviços (3,3%), Transporte, armazenagem e correio (3,0%), Informação e comunicação (2,9%), Comércio (1,7%), Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (1,4%) e Atividades imobiliárias (0,3%). Houve queda em Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (-0,8%). 

A Agropecuária caiu 2,5% em relação a igual período de 2021. Entre os produtos agrícolas, cujas safras são significativas no segundo trimestre, a soja (-12,0%) e o arroz (-8,5%) apresentaram decréscimo na estimativa de produção anual e perda de produtividade. Já o milho e o café apontaram crescimento em 2022, estimado em 27,0% e 8,6%, respectivamente. Já as estimativas da Pecuária deram uma contribuição positiva ao desempenho da Agropecuária no segundo trimestre, com destaque para os bovinos. 

Fonte: IBGE 

Confira entrevista com o vice-presidente de economia da ANEFAC, VanDyck Silveira, sobre o assunto: https://www.youtube.com/watch?v=93ucz5FeY2U